Aprenderam alguma coisa? Não aprenderam nada

OPINIÃO

Os eleitores deram uma bofetada nos vultos dos grandes gabinetes das instituições europeias, mas em vez de perceberem por que é que isso aconteceu, vão mas é comprar um capacete para proteger 

É um ritual dos partidos e dos governos depois de derrotas eleitorais dizerem que ouviram as pessoas, perceberam a lição, aprenderam alguma coisa. Na verdade, estas frases significam que não aprenderam nada e que vão continuar na mesma. Quando um partido tem uma derrota estrondosa e a atribui a “erros de comunicação”, não quer aprender nada, quer apenas salvar a pele dos responsáveis. Quando um partido tem uma vitória tangencial, que para nada lhe serve, e a festeja como “enorme”, não quer aprender nada, quer apenas salvar a pele dos responsáveis.

Não é a excepção, é a regra. Aprendeu o PS com a derrota a e maldição pública de Sócrates? Não. Aprendeu o PSD com as duas catastróficas derrotas eleitorais da actual direcção política de Passos? Não. Aprenderam o PS e o PSD o que significavam os sucessos das listas independentes nas últimas autárquicas? Não. Aprenderam o PS e o PSD com o aumento de votos brancos e nulos e as abstenções por protesto, desinteresse ou revolta contra a “oferta” política que é dada ao eleitor? Não. Aprenderam o PS e o PSD com a quebra cada vez mais acentuada dos votos do chamado “arco governativo” em relação ao conjunto dos votos expressos? Não. Aprenderam o PS, o PSD e o CDS com o divórcio já profundo entre eleitores e eleitos, entre os portugueses e a sua representação política? Não. Aprenderam o PSD e o PS o que significam resultados como os de Marinho e Pinto? Aprenderam o PSD e o PS com a cada vez maior dúvida sobre o mérito da democracia para resolver os problemas dos portugueses? Não.

Eles sabem, mas não aprendem. Sim, porque quer o PS quer o PSD sabem bem o que aconteceu em todos os casos enunciados em cima e compreendem o que se está a passar entre os portugueses e os seus partidos. O PS sabe muito bem que a responsabilidade de Sócrates no descalabro de 2011 é grande e que os portugueses não o esqueceram. Podem vir com lutas entre “narrativas”, que a convicção da maioria dos portugueses não muda sobre Sócrates. E Sócrates ainda mantém uma sombra de influência, porque convém à direita alimentá-lo como papão, que ele já não é de todo. Quando Rangel e Nuno Melo fizeram a campanha que fizeram, foram buscar o único fantasma que lhes podia dar leverage. Foi uma campanha pior que má, mas em que a Aliança Portugal se agarrou à única coisa que ainda podia mobilizar os fiéis, a recusa veemente de Sócrates.

Por seu lado, a desculpa dos “erros de comunicação”, que é alimentada pelos comentadores na área governamental, ilude o fundo dos problemas que é de outra natureza: o dos erros políticos, incompetência, mentira e logro como método, desprezo pelas dificuldades dos portugueses em nome de uma “revolução” dos “empreendedores” contra os “piegas”, que só pode ter origem na ignorância e impreparação ideológica e política. E, tendo como pano de fundo a captura da governação pelos interesses económicos, que impõem intransigência total na sua defesa. Não admira que o primeiro-ministro use a fórmula dos “erros de comunicação”, para fugir a assumir as responsabilidades dos erros cometidos da sua governação e para fazer uma tão cómoda como falsa autocrítica.

Mas se a diferença entre “saber” e aprender pode pôr em causa a partidocracia, eles não querem tirar nenhuma conclusão e muito menos actuar contra os interesses instalados dentro dos partidos. Essa é uma enorme força de bloqueio que os mecanismos cada vez maiores de profissionalização política a partir das jotas tendem a reproduzir e a ampliar no PS e PSD.

Alguém dizia-me “mas há o cheiro do poder” e isso pode beneficiar na actual contenda do PS António Costa, mais bem posicionado em todos os estudos de opinião. Discordei. Até há uns anos o “cheiro do poder” era uma forte motivação para as escolhas partidárias “para fora”, hoje penso que o único “cheiro do poder” que funciona nos partidos é o de dentro. Ou seja, a motivação para escolher um “ganhador” potencial dentro dos aparelhos instalados é muito menos importante do que a sobrevivência da casta, desde que a derrota não mexa muito no poolde lugares que se podem manter seja no poder, seja na oposição. Se jogar tudo numa vitória eleitoral pode reforçar um “inimigo” interno e desequilibrar os poderes “de dentro”, a opção é muito mais definida pela estabilidade dos poderes internos.

Este processo de fechamento explica o que aconteceu nas últimas eleições autárquicas no PSD e no PS, em que no Porto, em Gaia, em Sintra, em Oeiras e em Matosinhos se fizeram escolhas na base da fidelidade à nomenklatura interna do partido, mesmo que fossem eleitoralmente desastrosas. E isso ainda mais se torna evidente quando ninguém tira qualquer conclusão crítica interna das derrotas eleitorais e tudo continua na mesma, senão pior, com uma mentalidade de bunker para manter lugares no grupo parlamentar, nas distritais e federações, nos cargos de nomeação governamental. Alguém se demitiu devido às escolhas que fez no PSD no Porto, em Sintra, Gaia, Oeiras, ou no PS em Matosinhos? Pelo contrário, acelerou-se o processo de expulsões, para reforçar o poder interno, o único que conta. É por isso que só os partidos que ainda têm um eleitorado interior não inteiramente controlado pelo aparelho instalado podem mudar pela pressão externa da opinião, os outros não. Seja qual for o “cheiro do poder”.

O mesmo se passa, por razões ainda maiores, logo mais graves, a nível da Europa. Aprenderam os governos da União Europeia o que significou a derrota da Constituição Europeia na Holanda e França? Não. Aprenderam os governos com o facto de que cada vez que há um referendo as propostas do mainstream europeu chumbam ou passam por um fio? Não. Aprenderam os governos o desastre das políticas dastroikas dos últimos anos? Não. Aprenderam os governos e os partidos europeístas com a enorme abstenção que há muito atinge a legitimidade do Parlamento Europeu? Não. Aprenderam os governos e os partidos centristas e de esquerda com o ascenso da extrema-direita xenófoba por toda a Europa? Não. Aprenderam os governos nacionais e os partidos europeístas com o crescimento de forças anti-União Europeia ou apenas eurocépticas por toda a Europa? Não.

Eles sabem, mas não aprendem, porque não podem aprender. Dão apenas desculpas e falsas causas. O curso antidemocrático da União nos últimos anos dificilmente pode ser revertido sem pôr em causa políticos e partidos que têm mandado na Europa nos últimos anos, principalmente o PPE e o PSE. Ambos são responsáveis pela transformação da União numa burocracia autoritária e numa hierarquia de “dominação” entre países de primeira e de segunda. Eles não podem aprender sem pôr em causa a enorme e privilegiada burocracia que tem crescido em Bruxelas, no Luxemburgo, em Estrasburgo e em múltiplos gabinetes e “centros” nacionais, e que precisa de enfraquecer os parlamentos nacionais e os povos para poder crescer e consolidar-se.

Para voltar a ter pés que não sejam de barro, a União deveria aprender com os milhões de eleitores que consideram que o Parlamento Europeu não serve para nada, e nem sequer vão votar, e com os milhões que votaram no UKIP e na Frente Nacional. Sim, também com os eleitores que votaram na Frente Nacional, porque de uma forma perversa estes partidos falam mais dos problemas, dos receios, das defesas do homem comum do que os politicamente correctos PPE e PSE que mandam na Europa. Os eleitores deram uma bofetada nos vultos dos grandes gabinetes das instituições europeias, mas, em vez de perceberem por que é que isso aconteceu, vão mas é comprar um capacete para proteger a cara.

Aprenderam alguma coisa? Não, não aprenderam nada.

Historiador

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s