Quem vê diferenças

Manuel António Pina

Ante a perspectiva (mais que provável) de não resultar das próximas eleições maioria absoluta de um partido, implicando isso a necessidade – face às regras impostas pelo FMI a este seu protectorado à beira-mar plantado – de uma coligação pós-eleitoral, as posições de Passos Coelho podem parecer contraditórias mas, na verdade, são é dinâmicas.

Numa primeira fase, Passos Coelho defendeu que o PSD estava disposto a governar com o PS, mas nunca com Sócrates. Entretanto a coisa evoluiu e ontem Passos Coelho repetiu (segunda fase) o que já dissera uns dias antes: “Comigo não contarão para fazer um Governo com o PS”.

Se as regras das progressões aritméticas se aplicarem às progressões lógicas, a posição de Passos Coelho irá agora evoluir para uma terceira e última fase em que o PSD fará governo com Sócrates, mas nunca com o PS.

Como se vê, há aqui progresso de sentido. Já as posições de Sócrates quanto a governar ou não com o FMI anulam-se entre si deixando um vazio total de sentido. Primeiro garantiu que nunca os portugueses o veriam a governar com o FMI (o que tanto pode ter sido uma declaração de princípios como um palpite quanto ao resultado das eleições de 5 de Junho). A seguir não só negociou a intervenção do FMI como vai a votos disputar a honra de governar com a benemérita instituição. Talvez alguém encontre diferenças. Mas, como diz o taoista, quem vê diferenças caminha de morte em morte.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s